manifesto mosaiquiano

mosaico vetor10

Manifesto mosaiquiano pró terror

Nós do Mosaico, metidos como poucos, queremos através deste declarar nossas boas intenções para com tua irmã. No entanto, antes de qualquer coisa, vamos te dizer que no fundo, bem no fundo mesmo, gostaríamos de estar novamente com tua mãe. Depois de saber que tu és um dos nossos filhos bastardos, saibas que o que herdaste é o gosto pelo rock’n’roll, pela bebida barata e ambientes esfumaçados. Desta forma, cá estamos novamente no DCE velho de guerra, esperando por uma festa que teima em começar tarde. E tu aí, meu chapa, serás testemunha ocular deste grande acontecimento que é o lançamento do CD “Reciclando Terror”, produto do árduo trabalho da rapaziada da TSF: Alexsandro, Bob, Alf e Homero. Sim, eles ralaram para estar aqui hoje, pois batalham pelo rock, tanto que o elevaram à potência hardcore. Participam desta festa a “Profane Mind” e outra banda surpresa (???). Cá pra nós: estamos desconfiados que este lugar vai lotar de figuras estranhas, chegadas numa gritaria e algumas viagens extra-sensoriais provocadas por estímulos externos e  atucanações pessoais. Esqueça as provas finais, esqueça o marasmo, esqueça a friaca, esqueça a falta de grana e a ressaca de ontem. Afinal, não é sempre que criadores e criaturas se encontram. Te envereda guri!

O grupo intitulado Mosaico com atuação em todo o ano de 2003, formado por: Atílio Correa, o Seco, Gilvan Dockhorn, Homero Pivotto,  Jeane Baron, Marcos Borba, Paulo Tavares e Paulo Henrique Teixeira (eu mesmo), tinha a pretenção de contar a história do rock em Santa Maria, através da produção de um documentário e outros materiais escritos, como forma de preservação da cultura musical da cidade.

Foram feitos vários contatos, entrevistas, pesquisas em jornais de época e em acervos particulares. Uma verdadeira movimentação de adesão em torno da proposta.

O projeto foi se mostrando cada vez mais extenso, exigindo mais e mais dos participantes e a coisa acabou ficando pelo caminho.

Esse texto aí de cima é foi uma das provocações que rolavam na noite santa-mariense antes de alguns shows locais,  e integra a série MOSAICO que passei a postar para que estes arquivos possam ser compartilhados com tod@s, afinal a ideia continua sendo boa.

BANDAS (80’s e 90’s)


mosaico vetor10

1)         Abstrath – Frederico (guitarrista), Zezinho José Ernesto Cacciari       (guitarra e vocal), Roger Maza (batera), Marcos Brondani  (baixo)  – shows: Bombril e nas Dores

2)         A Bruxa – Renato Molina (1 vocalista), Clovis Muller (baixo), Guidão (guitarra), Pipoca (Ernesto Cacciari) (batera), Jesse (guitarra base)
Da série clássicos do rock de sm: A Bruxa � Renato Molina... on Twitpic

3)         A Gorda Ilíada – Pedro Ribas, Antônio

4)         Acesso Secundário – Armando Ribas (bateria), Marshal (guitarra), Patrick (guitarra e vocal) Antero (Baixo), 2ª formação com Alessandro (baixo)

5)         Anúbis – Guilherme Barros (guitarra), Pinto (vocal)

6)         Apostilas Coloridas – Conrado, Fábio

7)         Asco – Alessandro Casale, Giovanni Casale, Eduardo Pipa e Felipe

8)          Avenida Principal – Fred (guitarra), Arion Pilla (vocal), Claiton (baixo) Roger Maza (batera)

9)          Banana Explícita – Zé guitarra, Fernandinho baixo e vocal, Marcilio bateria

10)       Banda Beco – Alex (batera), Toninho (baixo), Sapo (Vocal)

11)       Barfly – Galileu

12)       Black Cat Bone – Batavo

13)        Blackout – Fábio

14) Black Rain – Cláudio Uglione, Tite, Pinto vocal

15)       Could Turkey – Pound – Jacaré/Duda/César

16)       Damage – Ricardinho/César

17)       Darkness – Conrado

18)       Dedé E Os Incompetentes –  Leandro Minusi, Dede Braunstein bateria

19)       Deist – Paulo

20)       Repressão Central – Marcos Brondani baixo, Cezar Albenez guitarra, João Sechi guitarra e vocal, Marcelo Machado batera – 2ª formação entrou Beto Dry guitarra e vocal

21)       Dirty Job – Paulo Finger

22)       Doce Veneno – Arion (vocal) Marcelinho (batera), Guilherme Barros (guitarra) baixo Edson Streit

23)       Drizzle – Tampa

24) Dr. Olavo – Guga, Gontan, Roger Maza

25)       Feeling – Lapan/Sininho

26)       Floricultura – Véia/Mário

27)       Fuga – Pylla

28)       GDE – Max/Mano

29)      Janu e Banda Utopia – Janu vocal, Caíque Baixo, Leandro Chato Guitarra, Coco bateria

30)       Joker Soul – Playker/Alkindar

31)       Lágrimas de Sangue – Pipoca/Espanhol/Guido Isaías

32)       Mais-Valia – CEU I

33)       Metal Morfoses – Naban

34)       Mingau de Morango – Cantídio baixo e vocal, Paulo

35)       Mobdick – Evandro/Luisito

36)       Névoa Púrpura

37)       Nocet – Molina, Gustavo Assis Brasil, Banana batera, Leandro Machado teclado

38        Mostradanus – Lanis Osório

39)       Nuc Temeron/ Garbage/Serpent Rise – Agnaldo

40)       O Apartamento e Suas Possibilidades – Fábio/Véia

41)       Os Prezas – Dedé

42)       Orion / Névoa Púrpura – Alessandro Casale, Geléia, Cenoura, Vanderlei

43)       Ossification – Mandíbula

44)       Paranóia – Ruivo

45)       Pirotecnia – Gérson Rios

46)       Ponto G – Luisito

47)       Pound – Fúria: Duda

47)       Propedêuticos – Jean Dominique guitarra, Paulo Bilha baixo e vocal e Armando Ribas (batera)

48)       Quebra-Três – Marcílio / Celsinho / Fernandinho

49)       Quintal de Clorofila – Nejandre/Dimitri

50)       Rerun Novarum – Alexandre Pistóia baixista, Gustavo pistóia guitarra, Marcos Brondani vocal, Mark Weber batera

51)       Ribombos – Chico

52)       Thanos – Negrão (primeiro vocalista), Rafael, Gonçalo, Naban, Pylla

53)       Terça Folha – Suzana

54)       TSF – Bob / Alexsandro

55)       220 woltz Cláudio Uglione batera, Pylla vocal, Tite Moreno guitarra

Esta foi uma  lista que o Mosaico fez, mas que precisa ser melhorada.  Então, se quiser ajudar, acrescente outras bandas, formações e o que mais quiser.

Sons que fazem (muito) barulho

mosaico vetor10

O mais desavisado pode não ter percebido, mas Santa Maria faz muito barulho há muito tempo.

A junção da falta de perspectiva econômica-profissional, a tendência à transformação de espaços comuns em privados (no mais das vezes elitizados), o cosmopolitismo de um centro de saber e de armas, a efemeridade das pessoas (e das relações) justamente pelo tempo de serviço na caserna ou na graduação, a efervescência intelectual produzida nos círculos acadêmicos e por fim, até mesmo aquele impulso criativo em repulsa ao saber instituído, garantiu um caleidoscópio cultural em Santa Maria extremamente inovador, que em determinados momentos se expande e em outros se retrai, mas que em momento algum, deixou de existir.

Há sempre alguém fazendo alguma coisa em algum dos inúmeros cantos da cidade, mesmo que a ação de tant@s seja ignorada pelo conjunto da sociedade, pelos órgãos consagrados de imprensa ou pela “esclarecida” comunidade acadêmica.

Não há como negar, a música em suas variantes e variadas versões e estilos cria sociabilidade, relações e redes de troca; ao mesmo tempo: integra e exclui, inova e reproduz, choca e conforma, faz pensar e faz bitolar.

Com uma simples caminhada pelo calçadão percebe-se que os gêneros – que se somam aos milhares – demarcam uma infindável quantidade de fronteiras (definidas no mais das vezes pela diferença ao centro do que propriamente pelas semelhanças internas) que se interligam e recriam microcosmos de produção, circulação e, principalmente, consumo. Seriam então formas de buscar singularidade em um mundo extremamente padronizado.

O grupo intitulado Mosaico com atuação em todo o ano de 2003, formado por: Atílio Correa, o Seco, Gilvan Dockhorn, Homero Pivotto,  Jeane Baron, Marcos Borba, Paulo Tavares e Paulo Henrique Teixeira (eu mesmo), tinha a pretenção de contar a história do rock em Santa Maria, através da produção de um documentário e outros materiais escritos, como forma de preservação da cultura musical da cidade.

Foram feitos vários contatos, entrevistas, pesquisas em jornais de época e em acervos particulares. Uma verdadeira movimentação de adesão em torno da proposta.

O projeto foi se mostrando cada vez mais extenso, exigindo mais e mais dos participantes e a coisa acabou ficando pelo caminho.

Esse último texto é do Gil, integrando a série MOSAICO que passei a postar para que estes arquivos possam ser compartilhados com tod@s, afinal a ideia continua sendo boa.

Mosaico de proposições

mosaico vetor10

O que era um dos assuntos mais recorrentes de alguns compartilhadores de copo de final de tarde e começo de madrugada, vem adquirindo uma forma menos espectral e começa a aproximar-se de algo mais real.

Sempre houve entre os carinhas ligados ao rock’n roll uma tentativa de resgatar, até para melhor entender, a produção deste gênero musical muito explorado na cidade há bastante tempo. E, agora, com um novo sopro de vida proposto por alguns visionários, surge uma proposta de documentar, pelo menos, parte desta história.

Os primeiros indícios remontam para a conturbada década de 60, mais precisamente para o ano de 65, quando Sérgio Assis Brasil e mais alguns amigos formaram um grupo chamado “Os Muggs”, que difundia na província uma manifestação que vinha arrebatando a juventude mundial – o bom e velho Rock’n Roll, na sua forma mais pura, representado pela primeira fase do quarteto de Liverpool, os Beatles. Tocando na hoje quase esquecida Catacumba do DCE e somando ao seu repertório temas de Santana, Doors, Rolling Stones entre outras coisas que passavam pela censura militar, algo como o ECAD de nossos tempos. Contemporâneo e ativo também era o grupo “The Flinstones”, grupo de Rogério Lobato, Renato Rios e outros estudantes da Universidade Federal, que já começava a atrair pessoas de outros lugares.

Na década de 70, os registros apontam somente referências da banda “CORPOS E CLIMAS” de Renato Molina e Heraldo Ribas.

Chegando aos anos 80, começa uma fase de grande produção local, talvez impulsionada pela eclosão do rock nacional e principalmente gaúcho, ou melhor, porto-alegrense. Nessa época, surgiram “Thanos”, “Bruxa” (que deu origem,  na seqüência, a “Fuga”, esta já da década de 90). Muitas outras vieram, “Doce Veneno”, “Nocet”, “Black Cat Bone”, “Feeling”, “High Time” e por aí vai. Isto que ainda não foi vislumbrada a cena alternativa, o mundo underground, que ocupa um espaço bastante significativo nesta história, merecendo, inclusive, um capítulo somente seu. Ainda temos a vertente blues, pai-avô do rock’n’roll.

Trabalho árduo que começou há pouco mais de um mês e não tem previsão de término. Atualmente os encontros são semanais e sempre na casa de dos inconformados. Se o documentário irá demandar um prazo maior, outras atividades terão implementação em seguida como o Mosaico de Parede, jornal mural, que está sendo preparado pelo grupo e circulará em alguns pontos da cidade freqüentados pela rapaziada que tem alguma afinidade com a proposta.

depoimentos rockers

mosaico vetor10

“Acho ótimo isso e acho ótimo viver e conviver com as pessoas que gostam de rock. Mesmo com todas as batalhas da vida, eu me sinto feliz por trabalhar com uma coisa que eu gosto”

Ângela Ramalho, Exclusive Discos

“Se alguém faz um trabalho, traça objetivos e começa a obter resultados, desperta no seu semelhante esse sentimento mundano que é a inveja.”

Agnaldo, vocalista

“Hoje nós temos sete bandas de blues aqui em Santa Maria. Isso acaba sendo gerado por quê? Em função de nós um dia termos começado, por o Celsinho ter começado e ter aberto o espaço após poucos. Naquela época só tinha a High Time. Agora tem sete bandas e eu acabo dividindo o espaço com elas, mas pra mim é maravilhoso isso. Por mais que no início da Sexta Blues do Sanduba eu cheguei a tocar um mês inteiro e agora tenho menos espaço, em compensação as pessoas estão ouvindo mais blues”

Paulinho Noronha