carnaval, linguiça e hospital

depois de muito tempo pude curtir o carnaval. no sábado pela manhã nos lançamos pela BR 392 e 158km e 2 horas e pouco adiante, chegamos em lavras do sul. conforme combinado, encontramos familiares no famoso restaurante do freitas. mais famoso que ele somente a lingüiça e o feijão mexido servido abundantemente aos mais corajosos.

freitas, o filho, que carrega a fama conquistada pelo pai e mãe, se orgulha de seu estabelecimento ser conhecido também fora da lavrinha, justamente pela dupla lingüiça & feijão mexido.

eu não me preocupo comigo e tão pouco com os meus, porque somos glutões de longa data e também porque já conhecemos o cardápio do freitas de outros carnavais. agora, tenho pena dos infelizes que, mesmo avisados, se atracam. naquelas de não dá nada! uma amiga que foi junto, experimentou, gostou e repetiu.

seguimos mais 22 km, interior adentro, na direção do rincão do inferno. chegamos, largamos a bagagem e fomos pro rio camaquã. como tem chovido bastante, o rio estava alto e a água além de fria, muito turva. tipo o banho de capuccino em capão da canoa.

rincao2-0641

voltamos pra sede, encilhamos os cavalos e fomos, os homens, 2 gaúchos e 1 bahiano (eu, claro), camperiar. depois que apeamos, fomos tomar um mate e vi a tal amiga tomando chá de marcela. caiu a noite e a janta foi servida, mas ela não quis, foi se deitar. a famosa dupla já tinha provocado efeito. não deu outra, lá pelas tantas foi preciso voltar pra cidade, rumo ao hospital. entre algumas paradas e falas de “eu avisei”, grande parte da bílis foi ficando na lataria da camionete e na poeira da estrada. que coisa triste de se ver, não desejo isso nem pra quem não gosto mais.

pra dramatizar mais a situação, nossa chegada antecedeu um acidente com uma moto que quebrou a perna dum folião, fratura exposta. segundo o médico, ficamos sabendo depois, a tíbia e o perônio foram quebrados em 3 partes diferentes. quebradura sempre tem prioridade sobre vomitação, então esperamos. ela começou a tremer de frio numa maca até que providenciamos uma coberta enquanto assistíamos a movimentação do grupo de amigos e familiares do motoqueiro quebrado, todos ansiosos e quase todos cheirando a álcool. como o hospital não tem recursos, acionaram uma ambulância para levar o sujeito pra bagé, onde poderiam operá-lo. aliás, como o carnaval de lavras virou referência na região, atraindo muita gente, a prefeitura mantém um serviço com ambulância e equipe para recolher e levar ao hospital os mais borrachos. uma espécie de trans bêbado.

resolvida essa situação, o médico pôde atender nossa amiga, diagnosticou como falta de costume com a linguiça campeira e aplicou plasil e buscopan nos canos. disse que ela precisava de pelo menos 1 hora, no soro. tranqüilizados com o atendimento e com tempo para esperar, fomos pegar umas cevas no birinait’s mercado de bebidas. baita nome! muito engraçado ouvir o dono do estabelecimento reclamando que quase não tinha mais cerveja para vender, tinha comprado mil fardos de latinha e o pessoal não parava de ir buscar, e era só a primeira noite.

rincao2-1582

8 latinhas a menos, fomos resgatar a convalescida e presenciamos outra cena que somente o plantão de um hospital em época de carnaval possibilita, imagino. uma moçoila noutra maca totalmente embriagada sendo acalmada por alguns amigos, num estado um pouco melhor que o dela. uma dizia:

– nós tomamos uma garrafa de batida, ta ligado?! essa mina é fraca, porque eu depois ainda tomei uns sambas e tô aqui legal. …é meio bêbada, mas tô aqui.

outra dizia,

– é porque ela não comeu nada. ela tá acostumada a beber.

a médica, que havia começado o seu plantão, amiga dos lavrenses que nos acompanhavam, nos convidou para ficar ali mais um tempo para vermos o que ainda viria pela frente. ainda não era meia-noite. “mulheres bêbadas aparecerão mais umas tantas, e elas são fiasquentas, chatas, porcalhonas, um horror!”

ao vermos nossa amiga melhor, rindo encabuladamente da situação, tocamos rumo ao rincão novamente. afinal, o carnaval mal havia começado.

Anúncios

2 comentários em “carnaval, linguiça e hospital

  1. eita!!!!!!! carnaval de Lavrinha ~e mesmo um acontecimento!!
    pobre dessa sua amiga…mando minhas condolencias!!!hehehe
    feito henrico

Os comentários estão encerrados.